São Paulo, terça, 11 de novembro de 1997.



Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Operação feita em museu será transmitida pela televisão e terá acompanhamento médico
Artista implanta hoje chip no corpo

MARIO CESAR CARVALHO
da Reportagem Local

O artista multimídia Eduardo Kac senta-se hoje, a partir das 21h30, numa maca na Casa das Rosas, na avenida Paulista, toma uma anestesia local, faz uma incisão com bisturi no tornozelo esquerdo e implanta ali um chip.
O chip tem o tamanho da ponta de um lápis (15 mm x 2 mm) e traz um número aleatório que poderá ser decodificado: 026109532. Ficará no corpo do artista pelo resto da vida.
O médico Paulo Flávio Gouveia e uma ambulância acompanham a operação, transmitida ao vivo pela TV Cultura e Internet (www.dialdata.com.br/casadasrosas/net-art/kac).
Não se trata de um procedimento cirúrgico, segundo Kac. "O implante é parte de um trabalho de arte", diz.
O próprio Kac considera a operação "uma loucura". Tanto que demorou quatro anos para executá-la, não por problemas técnicos, mas por "um processo pessoal". No mês passado, ele tentou fazer a operação no Instituto Cultural Itaú, mas a entidade vetou o trabalho.
A operação é uma loucura, mas o trabalho não, diz Kac. Na parede da galeria, ele exibe fotos que sua avó materna trouxe da Polônia ao fugir dos nazistas em 1939.
Foi um dos poucos bens que ela carregou, junto com um travesseiro. A avó de Kac sobreviveu, mas os outros personagens das fotos morreram em campos de concentração, provavelmente.
"Eu não vivi essas experiências, mas elas fazem parte da fibra do meu corpo. Estou fazendo esse implante para atender emoções que me acompanham desde criança", afirma.
A idéia de Kac é confrontar dois tipos de memória: a que decorre da experiência pessoal e a que é externa, que surge ao se ver uma foto, por exemplo.
Daí, o fato de ter escolhido uma memória de computador para implantar no corpo.
Ele diz estar interessado em investigar o que ocorre com a inflação de imagens que empesteia o mundo, quando uma foto não é sinônimo de verdade porque pode ser manipulada ao infinito.
Fenômeno similar está ocorrendo com o corpo, segundo o artista, com a disseminação das cirurgia plástica.
"O corpo hoje pode ser construído, apagado, restaurado. Já não há mais verdade no corpo. É isso que me interessa", afirma.
A operação abre a exposição "Arte Suporte Computador".


Exposição: Arte Suporte Computador
Quando: hoje, a partir das 20h30
Onde: Casa das Rosas (av. Paulista, 37)



Texto Anterior | Próximo Texto | Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.